Mídia: Erros no Gerenciamento de Projetos em Inteligência Competitiva -- Revista Power Channel / IBM 2011

A Power Channel é uma revista corporativa da IBM e é distribuída gratuitamente entre parceiros de negócios, clientes e fornecedores IBM.

Nosso artigo 'Erros no Gerenciamento de Projetos em Inteligência Competitiva' foi publicado na EDIÇÃO 13 - JULHO AGOSTO SETEMBRO 2011.

Confira, abaixo, o artigo na íntegra.

 

Erros no Gerenciamento de Projetos em Inteligência Competitiva

Por Daniela R. Teixeira

 

Sempre alerto os profissionais sobre os erros mais comuns no gerenciamento interno de projetos junto à equipe de IC (Inteligência Competitiva) nas empresas ou na contratação de uma consultoria na área.

Muito já se escreveu sobre gerenciamento de projetos. Mas será que gerenciar projetos de IC apresenta as mesmas dificuldades de projetos de TI? Em recente pesquisa realizada pela REVIE Inteligência e a MBI, foi possível constatar que a prática de Gerenciamento de Projetos é uma das mais usadas pelas áreas de IC no Brasil, sendo citada por 57% dos entrevistados.

De modo geral, todo projeto de IC precisa ter um acompanhamento (follow up), independentemente se é de um gerente ou de um consultor terceirizado. Cabe a esse profissional definir a periodicidade de atualização do acompanhamento do projeto.

E é essencial que essa área faça um gerenciamento, mesmo que simples, ou seja, sem usar modelos mais avançados como o PMBOK (Project Management Body of Knowledge). Para exemplificar listei alguns erros que já vi nesses projetos:

1. Falta de instrumentos de controle: Pode prejudicar o andamento e as entregas, principalmente se é um projeto com vários meses de duração e muitos profissionais envolvidos. No caso de serviços de consultoria de IC, omitir os pontos críticos (tanto do lado do cliente quanto do fornecedor) é condenar o projeto ao fracasso. O cronograma também pode ser usado como instrumento de controle. É importante que o cliente (ou solicitante da entrega) e fornecedor (consultoria ou área de IC da própria empresa) fechem esse cronograma juntos com revisões periódicas, de preferência quinzenal/mensal.

Também não podemos esquecer que as prioridades de IC mudam todo momento e, é normal, fazer alterações de datas de entrega.

2. Centralização excessiva: Isso pode prejudicar o prazo de entrega e, principalmente, a parte analítica, se houver. O consultor/ analista tem de ter autonomia para atuar junto ao solicitante da entrega, fazendo interações como uma reunião a uma avaliação preliminar do que já foi levantando pelo consultor/analista. Nesse sentido, é essencial que os fornecedores de IC entendam essa necessidade do cliente de trabalho conjunto para evitar ruídos que, futuramente, se transformarão em problemas, podendo até culminar na perda do contrato.

3. Falta de confiança: Esse para mim é um dos erros mais graves, pois se não há credibilidade por parte de quem executa a entrega de IC, o que também dificulta o trabalho em equipe, o projeto tem grandes chances de fracassar. Por outro lado, a confiança faz com que o time tenha um único objetivo, que é o de trazer resultados para o cliente – quer seja uma área interna da empresa ou da consultoria. Já a falta de credibilidade no trabalho de quem executa e/ou gerencia gera a troca excessiva de emails, planilhas e documentos para ‘tudo’. Dessa forma, acreditam estar protegidos, mas se esquecem do principal: o cliente.

 

*Daniela Ramos Teixeira

Diretora da REVIE Inteligência Empresarial e especialista em Marketing Estratégico, Inteligência Empresarial e Competitiva. www.revie.com.br


Fonte: http://www.rscorp.com.br/revistas/revista.asp?cd=H07i79H

Envie seu Comentário

Nome *
E-mail *
Site
Comentário *

Sonia Regina Federman
13/10/2011 09:37:59
Parabéns, Daniela por mais esse artigo. Profissional competente que é, com certeza vai ajudar a seus colegas mais uma vez! Tchau, Sonia Federman - INPI (Instituto Nacional de Propriedade Insdustrial)